8 de abril de 2016

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

ÁGUA, PRESERVAÇÃO PARA GARANTIA DE VIDA!

         Mais uma vez a Escola de Referência Luiz Alves da Silva promove um evento com efeitos que vão além da sala de aula e tocam diretamente a sociedade santa-cruzense, no último dia 1º de abril de 2016, sob a coordenação da Professora Valdiana Gonçalves, centenas de estudantes passearam pelas ruas da capital das confecções com o intuito de convocar o povo desta terra a cuidar desse liquido precioso. Com o tema: Água, Preservação para Garantia de Vida! Os estudantes se posicionaram em lugares estratégicos da cidade com faixas e distribuição de milhares de adesivos, procurando desenvolver formas de atuação para a conservação do meio ambiente e sua sustentabilidade. Contando com mais de trezentos e cinquenta ciclistas, o passeio chamou a atenção da população. Parabéns a EREM Luiz Alves e a todos os colaboradores que contribuíram de maneira mais que plausível para a realização deste grandioso evento.
RESPEITO É BOM E O POVO GOSTA!

É preciso confiar nas instituições, um Estado forte se faz com instituições fortes, e se por ventura essas estiverem enfraquecidas o Estado e seu povo sofrem as consequências, ao mesmo tempo, essa ideia no Brasil de um Estado salvacionista que tudo resolve em favor de todos, enfraquece vários setores da sociedade, dentre eles a capacidade empreendedora, não bastasse isso, a burocracia para abrir e fechar empresas no Brasil é tão exorbitante que até quem nunca pensou em abrir sabe das dificuldades.

Inegavelmente, a situação do país hoje é muito difícil pelas diferentes crises que enfrentamos e pela tentativa de golpe de Estado encabeçada pelo PSDB e uma série de outros partidos que em lugar de legislar pelo país legislam em causa própria, ao invés de pensarem no futuro da nação, pensam em manter um sistema político velho com as engrenagens enferrujadas. Mesmo assim, não é cabido que os brasileiros desistam das instituições que estruturam os aparelhos estatais e suas diferentes funções. Só para dar um exemplo, a cidade de Santa Cruz do Capibaribe há um bom tempo está vivendo dias infernais com a bandidagem atazanando a vida do povo trabalhador desta terra, no entanto, o descrédito dado a polícia militar, civil e seus aparatos nem sempre condiz com a realidade, algumas incursões tem sido feitas para aplacar essa realidade como mostra a imagem abaixo de abordagem realizada na 29 de dezembro pelo Major Demétrio e seus homens da PM que fizeram na noite da última quarta feira um conjunto de ações articuladas para combater o crime.
Claramente, percebemos que o poder publico dormiu no ponto e deixou o problema se avolumar para remediar a situação, mesmo assim, é preciso em ano de eleição não se deixar levar pela emoção e torcer para que as ações do governo municipal não deem certo, quem perde com isso não é a prefeitura, é o povo. Ao mesmo tempo, não se pode querer resolver as coisas na base da imposição às forças legitimadas pelo Estado, o exemplo do popular que teve um momento de fúria na câmara municipal de Santa Cruz do Capibaribe é um péssimo caminho, mesmo entendendo que boa parte da população desejaria fazer o mesmo, a política representativa ainda é o melhor caminho para a efetivação da democracia, a democracia direta tem grande referencial na antiguidade, e no caso da Grécia em uma sociedade escravocrata, muitos não tinham o direito de reivindicar, hoje nos levaria a ruína.
A câmara é uma casa de lei e por isso mesmo deve estar dentro de um conjunto de valores que consigam ultrapassar suas paredes, se o popular foi ofendido dentro dessa casa paciência, todos sabem perfeitamente que a casa Dr. José Vieira de Araújo não tem 17 vereadores, mesmo assim, aqueles que lá estão, foram eleitos de forma legitima pela sociedade santa-cruzense, como dizia o grande Lindolfo Pereira de Lisboa a tribuna da câmara é um belo picadeiro. Nossa casa de lei não pode virar circo, principalmente esse ano em que teremos muitos palhaços se apresentando pelas ruas de nossa cidade, respeitemos as instituições, e observemos com cuidado o circo montado nas eleições, para que os palhaços fiquem fora e os mágicos da transformação da sociedade para o seu bem estar possam entrar. No mais fica o dito para ser reescrito e ponto final.

Um comentário:

  1. Parabéns, Professor Rimario, pela clareza e importância com que escreve sobre processos relevantes ao crescimento cultural da nossa cidade e da nossa gente de Santa Cruz do Capibaribe! Unamo-nos por uma educação significativa. Professora Jucineide

    ResponderExcluir