9 de junho de 2016

NO DIA DOS NAMORADOS MEU PRESENTE É VOCÊ!

         Está chegando o dia dos namorados, comemorado no dia 12 de junho no Brasil por questões de início puramente comerciais, o dia dos namorados é uma data que mistura a troca de presentes com a crendice popular em torno de Santo Antônio o santo “casamenteiro”. Embora o dia sirva de alavanca para o crescimento das vendas no comércio de artigos dos mais diversos, é também para muitos o momento de provar que, “não é só com beijos que se prova o amor”, mas sim com um símbolo relacionado às batidas mais aceleradas do coração que pode ser mais duradouro que os toques e carícias da relação.
Não há dúvida que muitos daqueles que se enamoram fazem questão de não faltar com o presente do referido dia, mas aí surge a dúvida, por que não existe o dia dos casados? Será que é pelo fato do comércio identificar que não teria grandes resultados numa data como essa? Será que isso mostra a demolição da paixão entre os casais depois do matrimônio? Ou seria pelo fato dos casados comumente caírem nas garras do cotidiano e assim sendo perdendo o gosto pela contemplação, prazer e companhia do outro?
         Muitas dúvidas, muitas possíveis respostas, e uma sociedade que não se importa com valores que antes eram base da moral e dos bons costumes, e que se vangloriava pelo cuidado do homem em relação à virgindade feminina, não como um cuidado com a mulher, mas para sustentar o ego falocêntrico do homem, que inclusive há quem diga, que todo o cuidado masculino em relação à inocência da amada está no fato dele não aguentar comparações.
         Cartões, chocolates, bichos de pelúcia, celulares, computadores, carros e uma montanha de objetos acompanham os pombinhos no dia em que eles põem a melhor roupa para ir aos melhores restaurantes, o grande problema está no fato de muitos desses objetos serem mais significativos que o amor existente entre os dois, se antes o sentimento nobre estava na mente e corpo dos apaixonados, hoje nem sempre se encontra lá.
         Aqueles que se encontram enamorados, ou seja, apaixonados, encantados, enfeitiçados, cheios de amor. Não permitem que esse sentimento seja derrotado por coisas efêmeras. As verdadeiras “almas gêmeas”, enlaçam seu sentimento na saudade, que nada mais é que o vazio da presença de quem se ama, e esse vazio não pode ser ocupado por nada e ninguém que não seja aquele ou aquela que mesmo estando ausente se faz tão fortemente presente na lembrança que a distância não separa.

         Quantos aos casados esperamos que a saudade seja capaz de fazer parte das suas vidas, quando a única coisa que se tem é a presença e isso se torna o essencial, não existe mais namoro existe posse, e na posse saímos da harmonia amorosa para a monotonia. Que São Valentim abençoe a todos os que se enamoram, casados ou não, aqueles que não enamoram paciência, está faltando alguma coisa. No mais fica o dito para ser reescrito e ponto final.

0 comentários:

Postar um comentário