18 de agosto de 2016

GOSTAR DE POLÍTICA

O TERMO “GOSTAR DE POLÍTICA” ESTÁ SUBTENDIDO ERRONEAMENTE POR NOSSA POPULAÇÃO

Tenho a firme convicção na validade e nos desdobramentos benéficos decorrentes da efetiva participação do cidadão nos destinos da Política.  Acredito no efeito “formiguinha” das atitudes individuais e na comprovada força da ação coletiva. É fundamental e urgente, a sua conscientização e envolvimento político. Não deixe de fazer parte desse processo de efetiva participação, o que resultará, com certeza, em benefícios para todos cidadãos conscientes politizados ou não.
A alienação política é uma realidade no cenário local e atinge de forma indistinta, os diversos segmentos sociais. Alguns se envolvem na política motivados pela extrema necessidade de ser visto como aliado de um grupo político, ou ser visto como pertencente a uma castra distinta que por ventura represente poder. Pessoas tais como os mais pobres, que estão sempre suplicando dos seus governantes algo em troca do seu apoio eleitoral. Algo também visto até mesmo pelos mais abastados de dinheiro que se não apoiam o governo por obtenção de suplicas, apoia para usurpar de benefícios financeiros. 
Nessa linha de pensamento, o alienado político é aquele que pouco se interessa em acompanhar ou investigar os atos de seus governantes e ainda confia cegamente o seu destino a alguns líderes políticos, pois afinal, em sua visão “são eles que entendem de política e então farão o melhor para o bem de todos”. Enfim, ele não questiona e nem avalia o desempenho dos gestores. Entende o exercício do voto eleitoral mais como um peso e não como um direito legítimo ou mesmo como um passaporte para uma mudança e assim não reconhece e nem valoriza a força de que realmente dispõe. Desconhecendo que o simples fato de votar, já o faz digno de respeito. Não havendo necessidade de viver de bajulação.

A face intrigante da alienação política é que tudo aquilo com que sonhamos ou desejamos em termos pessoais, familiares e para a nossa cidade ou país, de algum modo, em alguma etapa, deverá ser objeto da análise política ou decorrerá do processamento político da questão. Sei que existem vários argumentos: “os políticos são corruptos e eu quero é manter distância deles”. Sim em parte podemos acreditar que existem muitos políticos corruptos, mas não são todos e é exatamente acreditando que existem políticos honestos que precisamos está ligado de alguma maneira à política. 
 No entanto, se as pessoas de bem, aquelas que buscam fazer tudo da forma mais correta, que são íntegras e honestas e que respeitam o direito de seus semelhantes, se afastarem voluntariamente do processo político, o que nos restará?  Infelizmente, salvo as raras exceções, sobrarão aqueles indivíduos que querem viver da política e se servem dela em seu próprio benefício, e não vivem para a política, conforme pensamento de Max Weber expresso na obra “Ciência e Política: duas vocações”.

JOSE DALVINO – CIENTISTA SOCIAL

0 comentários:

Postar um comentário