26 de novembro de 2016

O GRITO DOS OPRIMIDOS!

Entramos em um caminho perigoso, deixamos de discutir os rumos da política para discutir apenas a qualidade dos políticos, em um cenário cada vez mais ameaçador ao que resta da nossa democracia é preciso cautela para não cairmos dentro de um poço sem fim, a saber o poço da intolerância e da resolução de problemas com atitudes rasas e impensadas, em época de crise econômica, política e social frases como “bandido bom é bandido morto” ou “cada um que se vire”, temos um presente que danifica nossas possibilidades de um futuro melhor, e em momentos como esse é preciso pensar no simbólico em lugar do diabólico, ou seja, é preciso unir em lugar de separar, do contrário frases reducionistas como as citadas acima se tornam norma quando deveriam ser rara exceção, quem fala isso entende que é uma espécie de super homem, imune a toda e qualquer forma de problema que possa sofrer.
Vivemos melhor quando nos entendemos parte constituinte de um todo complexo que pede atenção e reflexão naquilo que fazemos e também no que falamos, especialmente em uma sociedade que fala muito e houve pouco, portanto escutamos muito mais o que falamos do que o que o mundo grita aos nossos ouvidos. Temos que nos preparar para tempos difíceis, com um presidente sem legitimidade, que deixou a política de coalizão pela defesa da corrupção, com redução de direitos adquiridos, com os tentáculos do neoliberalismo pairando sobre a cabeça especialmente dos mais pobres e com uma economia estagnada com produtos importados afetando de maneira significativa o polo das confecções de Pernambuco sem que se dê a atenção necessária ao problema.
Deixemos de lado a nossa ideologia ancorada no que acho que deve ser em relação ao Brasil que verdadeiramente deve acontecer, não há mais tempo para pensar em frivolidades, precisamos agir para salvar o que restou das nossas instituições, da nossa esperança de dias melhores onde o povo novamente possa ser ouvido já que pouco se tem levado em consideração em relação ao grito dos oprimidos, os opressores estão passando a ser heróis e o povo passa a ser vilão, protesto está virando coisa do cotidiano e já não causa o efeito esperado, estamos vendo nascer um novo fenômeno, os manifestantes de redes sociais, aqueles que falam tudo na rede e em movimentações reais não estão presentes por que continuam digitando para que meia dúzia aplauda e outra parte discorde, muitas vezes com discussões intermináveis que não levam a lugar algum, da democracia a imbecilidade é um passo apenas, basta que quem fale entenda que sua verdade é inquestionável e ai surgem as mentiras que vão se transformando em verdades sem veracidade. No mais fica o dito para ser reescrito e ponto final.

0 comentários:

Postar um comentário